como chegar lá!

Porto Alegre, 22 de julho de 1999.

Opa, agora o trato é sobre Encruzilhada do Sul, tchê!

Depois da esquina, onde fica Pantano Grande, prum lado é Rio Pardo e pro outro Encruzilhada do Sul. Quem deveria ser encruzilhada era Pantano, mas vamo que vamo. A estrada até Encruzilhada tem umas curvas beeeeeem perigosas e não recomendo ir à noite.

Pois esta terra é hospitaleira barbaridade. Quem é daquelas bandas, deve ter um orgulho danado, pois tamo aqui espalhando esta genuína qualidade gaúcha pros quatro cantos do mundo.

No caminho, ainda antes de chegar, um belvedere daqueles que Blau Nunes contava em suas histórias: se via o pampa por léguas e léguas de distância. Pero, la ciudad. Bamo-nos de volta a ela. mas antes um registro.

Meus especiais agradecimentos ao Leandro e Méris do cartório, e ao seu Adão Fonseca e esposa, ex-prefeito e atual titular do ofício dos registros públicos. Bah, me babo de alegria ao lembrar o quanto a gente pode ser querida e bem tratada, em especial por aquelas bandas.

Encruzilhada é um município grande barbaridade. Olha o mapa lá em cima e tu vais ver a dimensão dele. O forte sempre foi a agricultura, mas, com estes tempos bicudos, só pra ter uma idéia: o Banco do Brasil tinha 78 funcionários por lá e agora solamente unos 8. Mas hein?! Que encolhida.

Pois fui chegando de mansito. Um arvoredo bonito cobre a rua principal da cidade que nos leva até a praça Ozi Teixeira, onde uma gurizada sapecava por sobre os bancos de cimento.

A praça é muito bem cuidada e, como sempre, em frente a Igreja Matriz, que também é cuidadosamente mantida pela comunidade.

Feito besta, arremanguei um compadre e saí a conhecer a cidade, lembrando de fotografar os dois clubes: O Encruzilhadense e o do Comércio. Quem for de lá, vai relembrar muitos e muitos bailes chacoalhados naquela terra, hein?!

Também aproveitei e fotografei o quiosque, ponto de encontro para uns chopps no final da tarde e, quem sabe, um matezito pela matina.

Em seguida, fui conhecer a fonte do Pedrozo. Já foi um lugar muito conhecido, erguido monumento e coisa e tal. Diz que quem ia lá, sempre voltava a Encruzilhada e, quem sabe, talvez seja esse o motivo de ser chamada pelos "nativos" (hehehe) de cidade encantada.

Mas... mas a fonte agora nem água sai. Fuçei, escarafunchei e... qual quê! Nada d'água, nada de qualquer liquidozito espraiando-se. Sobrou apenas o monumento.

Bueno, em seguida fui na casa de seu Adão. Gente finíssima que me indicou a atual secretária de turismo da cidade, dona Leda Gonçalves Rassier, telefone 51.733.1180, ramal 28 (Av. Rio Branco 261, CEP 96.610-000) que foi gentilíssima comigo, confirmando a hospitalidade da terra e me emprestando uma penca de fotos, do concurso que patrocinou, e que reproduzi todas no final da página de fotos. Não perca, por que se tu gostas do Rio Grande, vai te enfezar com as imagens ali registradas.

Bom... A hora de desandar para Porto Alegre sempre é ruim. Ainda queria ir ver o paredão, mas ele fica a uns 60 kms da cidade, e dizem é belíssimo, pois fica nas bocas do rio Camaquã. Assim como Cerro Partido e outros.

Mas não te preocupas, que volto neste trecho do Rio Grande pra te mostrar as belezuras de nossa terra.

Pelinquanto, te convoco novamente a ir ver as fotos e chorar de saudades ou de inveja desse daqui, que pode estar por lá.

Bueno, tá entregue mais uma carta.

Vê se lê ela toda novamente e depois prestigia, indo até as fotos!

Vamos, tchê! Copa a banca (topar a parada), chama nas esporas teu mouse e risca pra lá!!

:-)

Veja as fotos: As fotos!

baita abraço

Cordialmente

El Cohen