Lança dos Guedes

Autoria: Vargas Netto

Lança dos farrapos sem medo e sem trégua,
que nas três pontas dos galhos do teu ferro
eras uma aemaça de morte sem remédio
no punho bronzeado dos centauros,
que viveram e morreram pelos Guedes...!

Pertenceste ao regimento dos heróis sem nome,
daqueles heróis doidos, indomáveis,
que te giravam no ar como um flagelo,
instantânea e violenta como um raio!

Daqueles heróis que passavam como o vento,
deixando o eco do tropel e um resto de poeira
ainda espantada no ar...
Nunca estiveste em mãos de prisioneiros,
porque estes noivos da morte, os farroupilhas,
ainda tinham um desafio como estribilho
no desfecho final...

Ao grito de: carrega!
eras o prolongamento de um braço sem temores
e a cunha de um centauro sem rédea,
para o qual o adversário nunca teve número,
e a quem ele agredia duplamente,
com a sua lança e com o seu orgulho,
bradando: "Eu sou do Guedes!
Morro seco e não me entrego!..."

Origem: Livro "Antologia da POESIA ÉPICA no Rio Grande do Sul", organizado por Antonio Augusto Fagundes. Ed. AGE. 1992.

Publicado por Roberto Cohen em 09/07/2003.

Editado por Roberto Cohen em 04/01/2004.