Poesia Verso Livre  

Moacir D'Avila Severo
gentileza de Jorge Mondin

Meu verso é um grito liberto da alma
Só faço protesto se a dor me invade
A inspiração não se curva prá regras
E para a expressão tem que haver liberdade
Quem se incomoda é por conseqüência
Da dor de consciência perante a verdade

Verso xucro é parto da alma
Embrião de uma era remota
Rastro de mil cicatrizes
Sede de achar suas raízes
Onde um passado rebrota

Deixem meu verso pra que siga livre
Ele não é feito aos conservadores
Se a tradição tem seus regulamentos
O bom nativista dispensa impostores
Traz arte nas veias talento na mente
Prá ser indiferente aos falsos valores

Livre é o que sabe ser só
Independe de alas sociais
Vocifera de limpa consciência
Rebate a opressão à tendência
Exprimindo seus ideais