Poesia Um certo louco  

Moacir D'Avila Severo
gentileza de Jorge Mondin

Na estampa um pobre louco,
Na alma um guitarreiro.
Como abrigo a mão alheia,
Por querência o pago inteiro.

Como o guitarreiro louco
No pampa era conhecido.
Prá cantar tinha a voz rouca,
Prá tocar, notas de ouvido.

E a guitarra, companheira,
Sempre quis saber a fundo
Porque naqueles braços
Andejava pelo mundo.

Muitos risos debochados
Ouviam-se em pulperias
Quando o louco guitarreando
Cantava sua porfia:

"Se os home não dão bola
Para o Rio Grande que fiz,
Boto cerca nas divisas
E faço um novo País."

E a guitarra, companheira,
Sempre quis saber a fundo
Porque o louco insistia
Mexer em parte do mundo.

É o tempo quem confirma
Quando a profecia é certa.
Quem sabe a louca carcaça
Não tinha alma de profeta?

Hoje os risos debochados
Não se ouvem em pulperias
Quando um consciente, cantando,
Repete a louca porfia.

E a guitarra, companheira,
Hoje quer saber a fundo
Porque chamavam de louco
Quem da razão fez seu mundo.