Pilchas

Autoria: Luiz Coronel

Não pensem que são pirilampos
essas estrelas lá fora.
É a lua clara dos campos
refletida nas esporas.

Se uso vincha na testa
é pra ver o mundo mais claro.
Não vendo o mundo por frestas
lhe posso fazer reparos.

Sem cinturão nem guaiaca
me sinto quase em pêlo.
Quando meu laço desata
sou carretel de novelo.

Da bodega levo um trago
para matar aminha sede.
Meu chapéu de aba quebrada
beija-santo-de-parede.

Atirei as boleadeiras
contra a noite que surgia.
Noite a dentro entre as estrelas
se tornaram três-marias.

Origem: Livro "Lunarejo - antologia poética regional", autoria de Luiz Coronel. Tchê! Editora Ltda. 1987.

Publicado por Roberto Cohen em 29/05/2001.

Editado por Roberto Cohen em 09/01/2004.