Cusco Baio

Autoria: Jayme Caetano Braun

Entre os amigos que tenho,
Irmãos da lida campeira,
Há um cusco baio coleira
Que vai junto, quando saio.
Botei-lhe o nome de Raio
Pois é um raio de ligeiro,
E não há melhor parceiro
Do que o meu cachorro baio.

Voltava, um dia, do povo,
Ao tranco do meu tordilho,
Assobiando um estribilho
Pra encurtar a madrugada,
Quando ouvi, sobre a calçada,
Um lamentoso ganido:
Era um cusquinho encolhido
Quase coberto de geada.

Sem mesmo apear do cavalo
Peguei o cusquinho feio
E botei sobre o arreio
Onde se ajeitou tremendo,
Parece que até sabendo
Que estava junto de alguém
Que conhecia também
As máguas de andar sofrendo.

Só quem não tem coração,
Ou não tem bom sentimento,
Ignora o sofrimento
Dos deserdados da sorte,
Desses que vagam, sem norte,
À margem da caridade.
Pois sem calor de amizade
A vida é pior do que a morte.

E assim o cusquinho feio
Foi morar no meu galpão.
É um amigo, desde então
Sempre a meu lado presente.
É o afeto permanente
Refletido com ternura
Naquela estranha doçura
Com que um cusco olha pra gente.

Foi crescendo e aprendeu
O serviço de campanha,
E na lida me acompanha,
Sempre ativo e oportuno.
Dá gosto ver o reiúno
Sair de dentro do mato
O mesmo que um carrapato
No focinho dum turuno.

E até parece mentira,
Hoje o antigo cusquinho
Pára rodeio sozinho
Igual ao peão mais campeiro,
Traz boi manso do potreiro
E é de lei – caçando paca
Ou no rasto duma vaca,
Dessas que esconde o terneiro.

Vai comigo, quando saio
Pra cuidar do meu arreio
E até quando carpeteio
Fica ali – a espera do grito,
Sobre os garrões sentadito
Bombeando – cheio de alma,
Como quem diz – muita calma
Que eu não te deixo solito.

Ainda lembro que uma vez
Meu cusco quase morreu
De um coice que recebeu
Dum redomão, na mangueira,
Doutra feita, uma cruzeira
O mordeu – não tinha cura,
Mas com leite e benzedura
Salvei meu baio coleira.

E agora vieram dizer-me
Que um cachorro enlouquecido
Mordeu meu cusco querido
E ele precisa morrer.
Não há mais o que fazer
É a solução – crua e cega –
Mais meu ser todo se nega
A cumprir esse dever.

E ali está o meu cusco baio
Naquele esteio amarrado
Olhar tristonho e parado,
Como a pedir-me socorro
Se matá-lo, sei que morro:
É muita barbaridade,
Pois eu só velho amizade
Nos olhos do meu cachorro

Origem: Livro "Potreiro de guachos", autoria de Jayme Caetano Braun. Editora Sulina. 1981.

Publicado por Roberto Cohen em 25/09/2015, a pedido de Maikel P. dos Santos.