Página do Gaúcho
Intérprete
Joca Martins
(atualizado em 02/12/2003)





História

Filho mais velho de três irmãos, todos ligados a música, João Luiz Nolte Martins traz a musicalidade de berço. Aos três anos de idade iniciou sua "carreira artística" acompanhando o avô em reuniões familiares...

Aos sete anos permitiu que a vocação "cantasse" mais alto, ingressando no conservatório de música onde deu início a sua formação musical.

Aos nove anos surgiu o contato e o gosto pela vida rural. O tempo passado no campo era sempre "pouco" lembra com saudade "Joca" Martins, apelido dado pelo pai de um parceiro de campo e de infância.

Aos treze anos, quando seu irmão ganha o primeiro violão profissional começam as apresentações ao público não tão familiar, acompanhados sempre pelo avô em interpretações de belas canções como a tradicional "Fita Amarela" de Noel Rosa.

Influenciado pelo surgimento da Califórnia da Canção Nativa e de talentos como: o missioneiro Cenair Maicá, o pajador Jayme Caetano Braun, Renato Borguetti da cabeleira e da bombacha arregaçada e pela então inevitável revolução musical do Rio Grande do Sul tomou como objetivo levar adiante o gosto de compor e cantar as "coisas" e os "causos" da terra gaúcha.

Em 1985 cria o grupo "Comparsa Cancioneira" e em 1986 o grupo "Ontonte", formados por Negrinho Martins, Fabiano Bachieri e Fernando Saalfeld. Começa neste instante a sua incursão pelos festivais.

Com uma voz privilegiada e admirador de canto lírico, Joca Martins viaja a Curitiba onde aprimora seus conhecimentos com renomados mestres como o barítono italiano Rio Novello, uma das maiores cantoras líricas do Brasil Neyde Thomaz, dando seqüência ao seu aprimoramento com o maestro Sérgio Sisto. É quando participa então, com sucesso, da ópera "La Traviata".

Em 1995 lança-se no mercado fonográfico, pela "USA Discos" com o primeiro CD intitulado "XUCRO OFICIO" (com composições de Jayme Caetano Braun, Xiru Antunes, Carlos Madruga, Luiz Marenco, Anomar Danúbio Vieira e Zulmar Benitez) que resulta em mais de três mil exemplares vendidos.

Após 4 anos, com apurado repertório, composto por músicas premiadas e regravações de sucesso surge seu segundo CD pela gravadora "Vozes", produzido pelo multi-instrumentista "João Marcos Negrinho Martins" intitulado "DOS ANCESTRAIS ATÉ AQUI" que leva como carros-chefes a chamarra "Motivos de Campo", a vaneira "Só resta o retrato" e o clássico chamamé correntino "KM 11", de Trancito Cocomarola.

Com ainda mais êxito que o primeiro, foi considerado pela crítica um trabalho de altíssimo nível técnico e artístico, com arranjos bem elaborados e uma sonoridade de fazer inveja mostrando um artista maduro e moderno, chegando a ser o trabalho de música nativista mais vendido da gravadora "Vozes".

Artista

Intérprete reconhecido, músico, letrista e compositor Nativista de presença marcante é considerado pela imprensa especializada um dos intérpretes mais "campeiros" do nativismo. Citado pela mídia como quem possui "Todo o Lirismo da Pampa" (Jornal do Povo 1999).

Tendo marcado presença nos mais diversos eventos acumula prêmios e êxitos. Arrebatou primeiros lugares em 8 festivais, soma mais de 40 músicas premiadas e 11 prêmios de "Melhor intérprete" por todo o Rio Grande do Sul incluindo um já ganho neste ano de 2000. È possuidor de quase 200 composições, tendo sido 100 delas já gravadas. Já defendeu composições de quase todos autores nativistas e hoje, incontestavelmente, ocupa um lugar de respeito e peso na música tradicional nativista da nossa terra e entre os músicos gaúchos.

Parcerias musicais: Privilegiou-se de oportunidades enriquecedoras como a de compor em parceria com grandes nomes da música Rio Grandense, dentre eles estão: Jayme Caetano Braun, Cenair Maicá, Lauro Corrêa Simões, Sérgio Duarte Tarouco, Sérgio Carvalho Pereira, Marco Antônio Xiru Antunes, Jaime Brum Carlos, Juarez Machado de Farias entre outros.

Em 1998 foi convidado por Edson Dutra a integrar o grupo "Os Serranos". A união durou três meses, resultando uma enorme e " placentera " experiência de amizade e respeito mútuo pelo trabalho destes artistas. Em reportagem à revista "Sucesso" Joca Martins é citado pelo grupo em primeiro lugar como um dos seus melhores amigos.

Trabalhos

Gravações : Como fruto e reconhecimento do seu trabalho possui várias de suas composições interpretadas e gravadas por artistas como: Flávio Hansen, Luiz Marenco, Gujo Teixeira, Jairo "Lambari" Fernandes e Grupo Querência.

Este último, por exemplo, gravou a conhecida canção "De Fogões e Inverneiras" que resultou em grande sucesso, vindo a fazer parte da coletânea "Melhores Conjuntos Gaúchos", pela gravadora "USA".

Últimos trabalhos: O ano de 1999 foi um ano em cheio para o artista, com inúmeras participações e premiações em festivais e com agenda cheia de shows por todo Rio Grande e Brasil. Destacam-se por exemplo atuações como a ocorrida no mês de outubro durante a 40ª Convenção Nacional do CDL em Recife, Show este que gerou futuros Shows em Recife, Natal e Salvador no mês de março de 2000, bem como a presença obrigatória do artista e seu show nas convenções de 2000 e 2001 (em Brasília e Porto Alegre respectivamente).

No fim do ano de 1999 enriqueceu ainda mais a sua bagagem discográfica com a participação na coletânea Natalina da gravadora Vozes, onde interpreta vários temas solo em parceria com outros grandes interpretes como: Luiz Marenco, Jari Terres, João Fontoura, Roberto Luçardo e Gustavo Teixeira. Neste mesmo CD interpreta por primeira vez uma composição de "Mauro Moraes".

Projetos: Joca Martins tem como projeto para o ano 2000 a gravação do seu terceiro CD, que terá o início da sua produção em março e o lançamento previsto para meados de junho. Este trabalho, como conta Joca Martins, será elaborado de maneira completamente inédita no RS, com o cuidados especiais que vão desde do ambiente e clima de gravação passando pela sonoridade e fechando no repertório voltado para o romantismo e o campeirismo, que já são marca registrada do artista, dando total ênfase as emoções.

O que Joca promete, em resumo, é uma belíssima surpresa acústica aos seus fãs! Por sua vez, terá uma preocupação muito grande em dedicar mais tempo ao seu público, em shows e participações, já que este mesmo público o tem requisitado cada vez mais vigorosamente.

Discografia

  1. 1995 - lança-se no mercado fonográfico, pela USA DISCOS, com o primeiro CD intitulado "XUCRO OFÍCIO", que resulta em mais de três mil cópias vendidas.

  2. 1999 - após 4 anos, com apurado repertório, com músicas premiadas e regravações de sucesso, surge o segundo CD pela gravadora VOZES, produzido pelo multiinstrumentista Negrinho Martins, intitulado "DOS ANCESTRAIS ATÉ AQUI". Pelo teor técnico e artístico, além de arranjos bem elaborados, o trabalho de música nativista foi o mais vendido pela gravadora.

  3. 2000 - "VIDA BUENA", o terceiro CD ambientado numa estância em Santa Vitória do Palmar, mostra um trabalho acústico, com a participação especial do mestre Lúcio Yanel.

  4. 2001 - Para homenagear o primeiro dos festivais nativistas, JOCA MARTINS grava o CD intitulado "30 ANOS DE CALIFÓRNIA", atingindo a marca de 30.000 exemplares vendidos.

  5. 2002 - "POR TER QUERÊNCIA NA ALMA", gravado pela Centauro Discos, traz no repertório chamamés, chamarras e milongas de seus autores preferidos como Gujo Teixeira, Marcelo Caminha, Xirú Antunes e Zulmar Benitez, além de composições de sua própria autoria.

  6. 2003 - sexto CD, gravado pela USA DISCOS, marca o trabalho maduro e moderno do artista que traz e interpreta "COM ALMA GAÚCHA" os clássicos da música riograndense e que conta com a participação da Sociedade Pelotense Música pela Música ,Renato Borghetti, Luiz Marenco, entre outros.

Shows

É no contato com o público que Joca Martins expande todo seu talento e carisma, exatamente por que encontra sua própria vocação: a de transmitir às outras pessoas o sentimento do campo e do romantismo pampeano através da poesia e da harmonia melodiosa de suas interpretações.

Por este motivo e porque o público merece sempre mais do artista é que o show "DOS ANCESTRAIS ATÉ AQUI" foi repensado e aprimorado. Com mais canções deste CD e com uma duração mais extensa que antes, sem em nenhum momento deixar para traz as canções que marcaram sua carreira e que são obrigatoriedade de interpretação.

Músicos

  1. Luke Faro (Bateria)
    Tendo iniciado seus estudos em Brasília, aqui no sul seguiu com o mestre Kiko Freitas. Músico virtuoso e arranjador reconhecido, transita entre vários estilos musicais como o nativista (desde 1996) e o pop arrebatando prêmios importantes como o de "1º Lugar" no "2º Batuka" (Concurso "Nacional" de Bateria, São Paulo 1997), "Melhor Instrumentista" no "6º Cirio" de Pelotas entre outros. Participou na gravação de vários CD's e ministra aulas de bateria na cidade de Pelotas.

  2. João Marcos Negrinho Martins (contrabaixo)
    Músico multi-instrumentista, arranjador e produtor participa do movimento nativista desde 1985. Seus instrumentos são: contrabaixo, violão e acordeon. Desde 1991 esteve em Portugal e Espanha atuando em grupos de vários estilos musicais e aprimorando seus estudos. Em 1997 estudou Baixo cubano e música popular cubana em Olgin, Cuba; onde obteve a nota máxima no término do curso. Após retorna ao RS para dedicar-se a música nativista. Desde seu regresso já arrecadou vários prêmios como o de "Melhor Instrumentista" na "XXIX Califórnia da Canção Nativa do RS". Atua também como músico de estúdio.

  3. Luciano Maia (acordeon)
    Jovem talento, começou aos 9 anos de idade, sempre na música nativista. De 1994 à 1996 venceu em todos os rodeios com Gaita piano, somando um total de 25 Troféus; é o único "Bi-campeão" no "Rodeio Internacional de Vacaria e na "Fegarte"; recebeu o prêmio de "Melhor Instrumentista" nos festivais: "13ª Carijo" e "Serra Campo e Cantiga" (Veranópolis). Em 1997 integrou o grupo Quero-Quero de Porto Alegre. Estará lançando o seu 1º CD Instrumental no mês de abril de 2000.

  4. Gustavo Teixeira (violão e voz)
    Intérprete, compositor e instrumentista, começou as atuações nos Festivais nativistas em 1996, arrecadando também vários prêmios em festivais como: "Onda da Canção de Imbé", "Pelotas da Canção" entre muitos outros. Acompanhou a "Companhia de Dança de Lavras do Sul" na turnê feita pela Europa em 1997. Tem vários trabalhos fonográficos, entre eles se destacam os CD's "Natal Nativo" e "Quando o verso vem prás casa" da gravadora "Vozes".


Algumas Premiações

Melhor Música

  1. VII Chamamento da Arte Nativa de Santana da Boa Vista
  2. VIII e X Terra e Cor de Pedro Osório
  3. XI Reculuta de Guaiba
  4. XII Poncho verde de Dom Pedrito
  5. III Canto dos Cardeais de Canguçu
  6. XII Grito do Nativismo Gaúcho de Jaguari
  7. III e IV Cirio de Pelotas
Melhor Intérprete

  1. VII Chamamento da Arte Nativa Santana de Boa Vista
  2. VIII, X e XIII Terra e Cor de Pedro Osório
  3. X e XV Reculuta de Guaiba
  4. VIII Escaramuça de Triunfo
  5. II e V Ramada
  6. VIII Comparsa de Pinheiro Machado
Música mais popular

  1. Vigília do Canto Gaúcho X
  2. IV Cirio de Pelotas






Entre em contato

Contate o artista:
Tel.: 53.9982.1085

email: jocacavalocrioulo@terra.com.br

Site Oficial: www.jocamartins.com



As fotos a seguir foram fornecidas junto com o
material de divulgação do lançamento do
CD "Clássicos da Terra Gaúcha", pela assessora de
imprensa e divulgação Elaine Acosta.
Clique nas fotos para aumentar.




Cohen e Joca, Califórnia 2001 / Uruguaiana